SHOW DE HORRORES: A psicologia em seus primórdios!

Dirigido por Werner Herzog em 1974, O Enigma de Kaspar Hauser (baseado em livro homônimo) é tema de discussão na filosofia, ciências sociais e antropologia há muito tempo. Entre os temas decorrentes da análise do filme estão a prática social condicionada, o convívio social como construtor da identidade psicológica do homem, o conflito entre persona e sociedade, além de infinitos paralelos com correntes filosóficas de grandes pensadores. Estas interpretações não são necessariamente excludentes, sendo possível levar mais do que uma delas em consideração sem que apareçam contradições. Herzog sempre teve interesse em histórias exóticas que flertam com reflexões de nível psicanalítico, religioso, antropológico, poético e etc. Este filme não foge à regra. Se trata de uma pessoa (o tal Kaspar Hauser) que, logo após o nascimento, foi mantido escondido em um celeiro, privado de qualquer contato com o mundo externo até completar 18 anos. Quando é retirado, não sabe falar nem andar, sendo assim impossibilitado de articular raciocínios (pois estes são feitos através da linguagem, mesmo que em pensamento), e de interagir fisicamente com o novo ambiente. É ensinado a andar, e a reproduzir um punhado de palavras cujo significado ignora. O filme mostra a reação da sociedade ao lidar com um indivíduo nesse estado, possibilitando vários níveis subjetivos de leitura sobre os fatos ocorridos durante o filme. Por isso é uma obra tão explorada por diversas áreas do conhecimento.Porém, por mais que existam teorias diferentes agregadas ao filme, existe uma mensagem gritante que não pode deixar de ser evidenciada. O próprio Herzog demonstra a importância dada a este tema colocando, na primeira cena do filme, uma frase que sintetiza o conceito: “Vocês não conseguem ouvir esses gritos amedrontadores que habitualmente chamam de silêncio?”.O filme reflete sobre a influência da linguagem e do histórico cultural na percepção da realidade. Isto é, as coisas que aprendemos (gramática, lógica matemática, religião, conhecimentos históricos, comportamentos culturais e etc) afetam a nossa capacidade de compreender os fenômenos que nos circundam. Isto acontece pois, ao associarmos uma idéia a uma palavra ou a uma imagem, estamos limitando o significado da idéia em função de uma definição restrita. As idéias passam a expressar só o que as palavras e imagens conseguem expressar, e não sua abrangência original (antes de serem aprisionadas por palavras e imagens). É como se as idéias fossem coloridas, mas nós só conseguíssemos expressá-las em preto e branco, sacrificando sua integridade original. O filme relativiza a situação de Kaspar Hauser: estará ele num déficit intelectual para com a sociedade, já que não teve a oportunidade de aprender sobre o mundo e amadurecer conceitos em sua mente? Ou terá ele uma percepção mais aguçada da realidade, pelo fato de não ter limitado suas idéias a palavras e imagens que sacrificam o sentido dos conceitos? Ouvirá ele os “gritos amedrontadores” que nós não ouvimos? Seja como for, ele é incompreendido pela sociedade, que enxerga nele uma anormalidade, tentando até procurar em seu cérebro (após sua morte) uma resposta neurológica para sua condição. Saiba mais sobre O Enigma de Kaspar Hauser

About superneandertal

Irmão mais velho do neandertal, mais novo do homo-sensibilis.
This entry was posted in Uncategorized and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s