Neandertais do Futuro

NOTÍCIA RELACIONADA:

Planeta dos Neandertais

by David Byrne (Talking-Head)
Nas últimas semanas, houve uma série de polêmicas e reclamações envolvendo os cientistas, por haverem dito que com o investimento de US 10 milhões, poderiam trazer um mamute peludo de volta à vida. O DNA das amostras de pêlos do mamute poderia ser utilizado para fertilizar um óvulo de elefante, isso se uma alteração permitir o óvulo de aceitar o DNA mesmo com alguns genes incompatíveis. Em seguida, o óvulo fertilizado viria a termo dentro de um elefante, e pronto: a aliá teria um bebê surpreendentemente peludo. 
 Que esse cenário de Jurassic Park se confirme agora ou mais tarde (ou seja, quando se tornar mais fácil) parece quase inevitável! Outro artigo científico apresenta uma lista, um tanto jocosamente, de algumas das outras criaturas extintas que poderia ser trazido de volta – entre eles um escorpião marinho de quase 2 metros, que vivia em águas rasas. Imagine pisar em um desses quando você estiver na praia!
 E, claro, as pessoas começam a especular se isso se deve ou não contemplar também os nossos ancestrais, tais como o homem de Neandertal, que da mesma forma também pode ser ressuscitado a partir de cabelo e de outras amostras. (Para ser exato, alguns acreditam que os Neandertais não sejam nossos ancestrais diretos, mas sim uma linha distinta de hominídeos que fracassou.)
 Sim, provavelmente eles também podem ser ressuscitados, assim como os “hobbits”, o pequeno Homo floresiensis, pessoas que viviam na ilha das Flores, no Pacífico. Muito embora já seja um pouco demais para pedir que uma pessoa, obviamente uma mulher, se voluntarie para levar em sua barriga a gestação de um homem das cavernas a termo. Mas quem sabe? Imagine a publicidade!
 Este novo conceito traz a mente um interessante cenário: eu me lembro de ter lido, há alguns anos, que os Neandertais tinham maior capacidade cerebral do que nós (isso é discutível, mas aceitemos por ora), talvez isso se verifique em relação à sua massa corporal, mas de qualquer forma, a julgar pelo tamanho do cérebro em si, que deve ter sido muito inteligente. Muito provavelmente eles foram mais espertos do que nós, talvez não da maneira que pudéssemos reconhecê-lo de imediato, como se sentar para responder a um questionário de admissão, por exemplo, mas, definitivamente inteligente na maneira como adquiriu as habilidades necessárias para a sua sobrevivência em um ambiente hostil, caracterizado pela invasão do gelo (devido às alterações climáticas da era glacial), tigresdente-de-sabre e nossos ancestrais peludos. Esses caras podem ter sido astutos pensadores, e muito mais “safos” do que nós somos agor
a.
 Poderia ser que ao longo das eras, a medida que o mundo foi se aquecendo e as sociedades formadas e desenvolvidas, com o mundo se tornando um lugar menos desconfortável, no qual todas as habilidades que os Neandertais possuíam se fizessem desnecessárias? Na natureza como na vida, para que se esforçar mais?
 Desse modo, como eu imagino, a evolução o eliminaria selecionando contra este animal com o cérebro de grandes dimensões, como faria com qualquer outro animal com algum órgão ou apêndice supérfluo. Cérebros exigem uma grande quantidade de sangue e cuidados, ter o seu tamanho reduzido, para que correspondesse apenas  às suas atuais demandas, equivale a uma vantagem definitiva.
 A maioria das pessoas vai achar essa idéia difícil de acreditar: que a evolução no empurrou para baixo. Mas por que não? Nós erradadamente, eu acho, persistimos em acreditar que a evolução é uma espécie de “progresso”, uma série de melhorias mais ou menos lineareares em cada espécie, e que os animais que existem hoje, incluindo nós, sejam, portanto, melhores” do que os que vieram antes. Esse é um pensamento xenófobo, parece-me. Bichos que vieram antes, e estão por aí há muito mais tempo do que nós, foram extremamente bem sucedidos evolutivamente, no que pesa o fato de terem se adaptado muito bem ao ambiente em torno deles. Por exemplo, se os animais de hoje fossem, de algum modo,  transportados para milhões de anos atrás, poderíamos nos encontrar menos aptos à sobrevivência do que nossos amigos peludos. Nós seríamos os que seriam extintos.
Evolução não é absoluta.

About superneandertal

Irmão mais velho do neandertal, mais novo do homo-sensibilis.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s